sábado, junho 27, 2009

Perpetuante:

«Ele deveria ter-se tornado pálido como um cadáver – pensava – a sua imagem reflectia no espelho. Lia, fechava os olhos provavelmente, depois reabria-os, na esperança de que a carta se transformasse numa simples folha de papel branco sem qualquer significação... Teve de recomeçar a sua leitura, pelo menos três vezes!...». Dostoievski, F. (2009). O Eterno Marido (1ª ed. Dias, J. P. Trad.). Lisboa: QuidNovi. P.165.

Imagem disponível em: http://3.bp.blogspot.com/_AnZspXoi5MY/SHYGJhMkExI/AAAAAAAABQM/tGQrHY9w-X8/s400/8.jpg.

Sem comentários:

Enviar um comentário