sábado, fevereiro 28, 2009

Devaneios:
Como pensar o pensamento do pensado no limite do limite?
Ando assim pela investigação de e.e.:

sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Tenho uma estranha obsessão por "coisas" crípticas...

(Imagem disponível em: http://www.leonardoidea.it/leonardoidea-foto/leonardoidea-casa-criptex-macinapepe/leonardo-idea-criptex-macinapepe3.jpg)
1º O Latim;
2º Depois, Jacques Derrida;
3º Agora, Tratamento Estatístico...
Estou a dar pequenos passos na linha da loucura...eu sei....

quinta-feira, fevereiro 26, 2009

“Visões da Febre”
"Doente. Sinto-me com febre e com delírio
Enche-se o quarto de fantasmas. 'Ma visão
Desenha-se ante mim tão branca como um lírio
Debruça-se de leve… Estranha aparição!

É uma mulher de sonho e de suavidade
Como a doce magnólia florindo ao sol poente
E disse-me baixinho: «Eu chamo-me Saudade,
E venho para levar-te o coração doente!

Não sofrerás mais; serás fria como o gelo;
Neste mundo de infâmia o que é que importa sê-lo
Nunca tu chorarás por tudo mais que vejas!»

E abriu-me o meu seio; tirou-me o coração
Despedaçado já sem’ma palpitação
Beijou-me e disse «Adeus!» E eu: «Bendita sejas!...»"
Espanca, F. (2006). Poesia Completa (8ª ed.). Lisboa: Bertrand Editora; p.115.

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Como se fosse possível definir "SUICÍDIO" e "ADOLESCÊNCIA" de modo absoluto...Salva-me tu Poe...

terça-feira, fevereiro 24, 2009

Sugestão para quando não percebemos se chegamos a acordar ou a adormecer..

segunda-feira, fevereiro 23, 2009

O que levou à necessidade de instituir comissões de ética?
Os motivos são tantos que seria inadequado evocar apenas um…Todavia, é-me possível mencionar algumas experiências que “atiçaram” a ponderação para o mínimo de sensatez!
Relembrando em 1932 efectuou-se uma experiência em vista a conhecer a história natural da Sífilis e complicações derivadas. Para isto, violaram-se os “direitos de cidadãos” na cidade de Alabama…Como? O serviço se Saúde Pública dos E.U.A. iniciou um estudo com 600 “negros” dos quais 399 padeciam de Sífilis. Porém, não foi comunicado a nenhum dos 600 o seu estado de saúde, nem o porquê da investigação. O tempo passou e esta experiência durou 40 anos, levando à morte de mais de 100 “negros”…Note-se foram 40 anos! Esta loucura só veio a terminar quando Jean Heller publicou uma reportagem no New York Times (26.7.72) a denunciar o decorrer da experiência. Assim, apareceu um “Código de Nuremberga” para uma dita ética da investigação que respeite normas e, defenda a integridade humana, a integridade da vida. O “Julgamento de Nuremberga” sentenciou 23 médicos alemães Nazis (apesar do número de médicos envolvidos ser muito superior), que participaram ou foram cúmplices em experiências que originaram a morte de milhares de seres humanos. Basicamente foram acusados de quatro tipos de práticas: 1- crimes de guerra; 2- crimes contra a humanidade; 3- conspiração; 4- organizações criminosas. Tudo isto parece “básico”, mas as experiências praticadas por estes senhores envolviam práticas como: técnicas de esterilização; enxertos ósseos; emprego de novos fármacos; infecções provocadas; experiências de hipotermia e hiperbáricas; etc.. Evoquemos mais um exemplo: Sigmund Rascher retalhava as vítimas ainda vivas para estudar os seus pulmões após terem estado expostos a situações de descompressão (no Instituto de Aviação de Luftwaffe). Este jovem médico acabou por ser fuzilado, o irónico é ter sido pela ordem de Himmler
Enfim há muitos mais motivos como estes …afinal do que se fala quando se fala de ética?

domingo, fevereiro 22, 2009

“Cinco palestinianos mortos por gás em túnel usado para contrabando”:

Ao ler o pequeno esboço em: http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Internacional/Interior.aspx?content_id=1151796 ocorreu-me automaticamente a lembrança de Auschwitz. Morreram acerca de 1.500.000 pessoas! Agora observo o terror na “Faixa de Gaza”…ainda rodeados por muralhas... pergunto-me, quando é que isto acabará?!
Disponível em: http://brasil.indymedia.org/images/2008/01/409645.jpg

sábado, fevereiro 21, 2009

"Vinho do Porto" na voz de Marisa Pinto:

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Considerações sobre “Fibromialgia”:

1º- Na Declaração de Copenhaga em 1992: “O diagnóstico é geralmente feito na presença de dores generalizadas, fadiga persistente, rigidez generalizada (matinal), sono não retemperador e múltiplos tender points. Muitos doentes com estes sintomas têm 11 ou mais pontos dolorosos. Mas uma proporção variável de outros doentes típicos pode apresentar menos do que 11 pontos na altura do exame”.

2º- In, Quintner, J., & Cohen, M. (1999). Fibromyalgia falls foul of a fallacy…”: “O diagnóstico consiste num sistema de adivinhação mais ou menos preciso no qual o ponto de chegada é um nome. Estes nomes, quando são aplicados a doenças, vêm a assumir a importância de entidades específicas, embora não sejam mais do que concepções inseguras e portanto temporárias”.

3º- In, Barker (2005), The Fibromyalgia Story: “O doente tem fibromialgia? Ninguém pode ter fibromialgia. A fibromialgia é apenas uma palavra que usamos para representarmos a situação de alguém que se queixa com dores crónicas generalizadas, fadiga e alterações do sono, e apresenta pontos dolorosos no exame físico. Não é uma doença, é uma descrição”.

A minha pergunta é: o diagnóstico não é por definição, o conhecimento efectivo, ou em confirmação, sobre algo no momento do exame? Não é a discrição minuciosa de algo? Eu penso que se devem ler estes documentos ou outros estudos “fidedignos”…Repare-se nisto: “(…)I was never able to have a stable relationship, something I deeply regret. Numerous boyfriends accused me of working to much; yes I was, like many fibromyalgia patients, too perfectionist, too demanding with myself. Since January 2000, and because I never wanted to quit my job, I have put aside any hope for a stable emotional relationship: I do not have the time nor the energy for it. My lover is now called fibromyalgia and takes up all of my free time, requires my presence as soon as I can rest or when I have a weekend off…"(Maria Elisa Domingues, Les Entretiens du Carla, 2006)… não está a falar de fibromialgia, mas de si mesma…!!!

Imagem dos "tender points" em: http://www.brasilpnl.com.br/artigos/imagens_artigos/eft_fibromialagia_pnl_pontos.jpg

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

Será que ele vai aceitar a minha última "reflexão"?
Quando falo da relação entre qualidade de vida e espaço não implica este que seja sempre “natural”, há múltiplos espaços que nos provocam o sentimento de “descontracção”/ “afectividade”. Todavia, não é possível afirmar que a qualidade de vida da população depende da relação que tem para com o espaço por uma questão de coerência intelectual para com o que se entende por percepção e por relativismo. Obviamente, na minha perspectiva pessoal é importante que nos identifiquemos para com os nossos “lugares” (não posso é fazer da minha perspectiva uma tautologia).
vamos lá ver no que dá a brincadeira...

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

A quinta pergunta do exame:
"Quem foi Ignaz Semmelweiss e o impacto que teve na medicina?"
Bem dizia eu ao professor que esquecer determinados nomes se pagava caro!hahaha

terça-feira, fevereiro 17, 2009

“Matéria”‏

Hoje mais um dia passado na leveza do pensamento nunca interrompido seja por terra quente ou mar gelado. Longe de deixar o dia correr sem cair na abstracção dos sonhos e pesadelos que me assombram talvez sossegue um pouco quando deixar de ser quem sou, a introspecção levada ao extremo! nada me agrada, tudo o que me faz sorrir deixa-me a chorar por saber que já passou e adivinhar tudo o que se segue tudo me perturba e me inflama, sem mais por onde me agarrar........ e a esta matéria pertenço, sempre pertenci e nunca me irei perder.. tal notícia tal desgraça.......... não quero senão não ser não quero senão deixar-me em vazio eterno, em vez de carne aprisionada na Terra que me criou que me engoliu e que é dona e senhora de mim choro porque nunca irei deixar de ser, seja o que for, então de que vale a morte? se iremos renascer em outros? sem saber quando, onde, nem porquê? dominados pela sua sentença que fará o que quiser de nós para sempre!
(by, amiga dos olhos azuis - DESCULPA A FORMATAÇÃO)
A propósito do Prós e Contras – O “casamento” “homossexual”/ Mas o “casamento civil” é um "previlégio"?

1- Amor incestuoso e amor homossexual não são analógicos;
2- A orientação sexual "É", não se opta "Por"
3- É diferente: “cometes-te um erro”; “vocês são um erro”;
4-Qual a medida da “diferença”?

Pergunto-me, como é que numa sociedade “dita” democrática temos tanta “homofobia”? Mas, mais interessante ainda…é conseguir observar o quão “medíocre” é o corpo docente do ensino superior…salvo raras excepções…Isto é, de facto, preocupante! Assustador…

segunda-feira, fevereiro 16, 2009

Pensando nos sonhos e ouvindo Björk :

Lá dizia o C. Baudelaire que os sonhos do homem podem ser de duas classes. Em primeiro, o sonho natural, baseado na vida comum e conjugado com alguma excentricidade pela tela da memória. Em segundo, o sonho hieroglífico, aquele absurdo paradoxal baseado em algo sobrenatural… Agora pergunto-me: estarás só a falar de “haxixe” Baudelaire? “Os sons revestem-se de cores, e as cores contêm uma música” (C. Baudelaire, Os paraísos artificiais, trad. José Saramago, Editorial Estampa, Lisboa, 1971, p.35).

domingo, fevereiro 15, 2009

Saudoso S. Kierkegaard:
Será que tem de ser considerado “louco” e “obsessivo” por ter ousado viver o seu pensamento?! Por ter ousado sacrificar o “estádio ético” ??? “Esta loucura é o sofrimento do génio na vida” (S. Kierkegaard, Temor e Tremor, Guimarães Editores, Lisboa, 1990, p.131). Oh…abençoado sejas…

sábado, fevereiro 14, 2009

De novo ali:
“The soul would have no rainbow if the eyes had no tears”, by Laurel Burch. Foto minha.

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Imaginemos um cubo:
Sabemos que é um dos cinco sólidos platónicos, sabemos que tem todas as arestas, mas também sabemos que há sempre “faces” que não conseguimos ver. Porém, sabemos que estamos a olhar para um cubo. Então…o que me permitirá saber que estou a ver um cubo? Quando é que o cubo ganha forma?

(Imagem em: http://www.vejaisso.com/wp-content/uploads/2008/01/cubo-magico-deficiente-visual.jpg)

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Como é que ele diz?!

1-Será que o aumento do "cancro do intestino" não está relacionado com a falta de estimulação imunológica (SIM...DEIXEM AS CRIANÇAS BRINCAR NA TERRINHA!!!!)
2- Após a definição da O.M.S (de saúde) concluímos: temos os doentes (pela definição da O.M.S seriamos todos), os normais (ui, uma raridade) e os novos "betweens" (o paradigma que ocorreu nas aulas de epidemiologia geral).
3- Um cirurgião pode salvar uma pessoa, mas um epidemiologista milhares (delas) ...
Enfim, considerações de tarde...

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Quem não se lembra de Joseph Nye e a sua inteligente abordagem do "conceito" de «soft power»: "o poder brando da persuasão contra a força brutal"... Será que está de volta o «poder brando» "inscrito" na força da sedução?

(Imagem disponível em: http://aeiou.expresso.pt/o_courrier_internacional_de_fevereiro=f494803).

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Uma bela notícia pela manhã: Kate Winslet ganha 2 globos na noite de "Golden Globes"..É preciso realçar um dos filmes , sem palavras: "The Reader"... Não sentem nada?

domingo, fevereiro 08, 2009

Actos de fealdade:
Neste sábado (7.02.09) surgiu a seguinte notícia: “SEF apanha criminosa procurada no Brasil” (http://diario.iol.pt/sociedade/sef-lisboa-detida-procurada-aeroporto- trafico/1041034-4071.html)...A mim o que me impressiona é que nem se dá a devida atenção a pequenos grandes acontecimentos. Repare-se uma mulher pratica a MONSTRUOSIDADE de tráfico humano e fala-se de uma pena de prisão de 5 a 20 anos?! O quê?! Não há mais nada a falar????? E o tráfico de órgãos?! Não há ai nada para dizer? É com uma pena de prisão que se trata deste assunto? FALA-SE DE TRÁFICO HUMANO, não é de ter roubado a antena do carro do vizinho....sinceramente...

sábado, fevereiro 07, 2009

The Duchess: “não sei quantos estamos empenhados com a ideia de liberdade”: Georgina Spencer transbordava uma juventude de um sorriso inocente...tornou-se Duquesa Devonshire, mas também “prisioneira na própria casa”. Veja-se Keira Knightley num retrato político-cultural do séc. XVIII.(Imagem do filme: The Duchess)

sexta-feira, fevereiro 06, 2009

Silêncios Contemporâneos:
“ Diz-nos o bom senso que as coisas da terra pouca existência têm, e que a verdadeira realidade está apenas nos sonhos. Para digerir a felicidade natural, assim como a artificial, é preciso primeiro ter a coragem de a engolir, e os que talvez merecessem a felicidade são justamente aqueles a quem a aventura, tal como a concebem os mortais, sempre fez o efeito de um vomitório.
A espíritos néscios parecerá singular, e mesmo impertinente, que um quadro das volúpias artificias seja dedicado a uma mulher, a mais comum fonte das mais naturais volúpias. Todavia, é evidente que tal como o mundo natural penetra no espiritual, lhe serve de alimento, e concorre assim para operar esse amálgama indefinível a que chamamos a nossa individualidade, a mulher é o ser que projecta a maior sombra e a maior luz nos nossos sonhos. A mulher é fatalmente sugestiva; vive de uma outra vida além da sua própria: vive nas imaginações que frequenta e fecunda”.
(C. Baudelaire, Os paraísos artificiais, trad. José Saramago, Editorial Estampa, Lisboa, 1971, p.9)

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Absurdo do corpo humano:
Imaginemos uma situação cómica de uma abelha a picar uma lampreia. Vá riam-se... mas na verdade a lampreia com apenas uma classe de anticorpos não morre de choque anafiláctico! Já "nós"...produzidos com cinco classes de anticorpos... não se pode dizer o mesmo!!!!!
Querido Dostoievski:

"Mas como seria se eu não tivesse desanimado, se eu não tivesse ousado decidir-me... Amanhã, amanhã acaba-se tudo!".

(in. F. Dostoievski, O Jogador - Memórias de Um Jovem, trad. António Pescada, Relógio D'Água Editores: Lisboa, 2007)
Partilhas:
Costumo ouvir daquela boca silenciosa um olhar gritante... ao mesmo tempo, sofro por uma apatia de palavras (des)veladas e observo que as lágrimas lhe caem no interior, como se uma cascata transbordasse o íntimo.. Mas, dizendo aqui baixinho… eu ouço aquelas palavras que não são ditas, vejo as lágrimas que não caem e entrego-me como (in)visível entre cada passagem...

quarta-feira, fevereiro 04, 2009

terça-feira, fevereiro 03, 2009

Pensamentos assim:
"Posso não concordar com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dizê-lo" (Voltaire) .

segunda-feira, fevereiro 02, 2009

Ali estava ela...de novo a respeitar a “Lei do Tacto”. Ficou serena e, ao mesmo tempo, extasiada num aroma que a leva à “epokê” dos seus próprios sentidos. Recordou aquele grande olhar, mas quando se voltara para trás, o momento já tinha passado de novo. Aquela voz suave voltou acompanhada de um olhar que estava já tão esquecido…
Não só porque a Merly Streep é uma actriz de "eleição" para mim, mas também porque há um sentido neste filme...

domingo, fevereiro 01, 2009

Os Argumentos Dedutivos:
Os argumentos dedutivos (bem construídos) são argumentos em que a verdade das premissas irá garantir a verdade das conclusões, porém é preciso ter em atenção
que os argumentos dedutivos apenas nos dão certezas se as premissas forem correctas. Como as premissas dos nossos argumentos raramente são certas, as conclusões dos argumentos dedutivos da "vida real" têm de ser "apreciadas/consideradas" com algumas reticências. Por outro lado, quando encontramos premissas fidedignas as formas dedutivas são muito úteis... Mesmo que as premissas sejam incertas, as formas dedutivas permitem um modo de organizar um argumento (principalmente em ensaios argumentativos). Expondo apenas um:
Dilema:
p ou q.
Se p, então r.
Se q, então s.
Logo, r ou s.

Exemplo: Um dilema célebre é o de BIAS (um dos Sete Sábios da Gécia):
-Se vos casardes, desposareis uma mulher bela ou uma mulher feia.
-Se ela é bela, sereis ciumentos.
-Se ela é feia, não a amareis.
-Portanto, não vos caseis.
O dilema só é evidentemente válido em situações binárias, quer dizer, quando uma terceira possibilidade está excluída. Por isto, o dilema é um raciocínio frequentemente utilizado nas fórmulas condensadas que assentam em determinados mecanismos.
(post baseado in: Arte de Argumentrar de Anthony Weston)